Nos dias de hoje, vivemos em um mundo cada vez mais tecnológico, onde as grandes companhias disponibilizam tablets e smartphones dos mais variados gêneros que nos auxiliam em vários momentos do nosso dia a dia. Existem até aplicativos móveis que monitoram a saúde e bem-estar das pessoas, ajudando-as a regularem seu organismo e até sua mente. Inegável que todas estas tecnologias estão facilitando muito a nossa vida, deixando as tarefas rotineiras cada vez mais simples. Mas nos últimos anos, os especialistas do setor vem impondo uma nova regra visando o futuro: tudo que pode ser conectado, será conectado.

Mas por que iríamos querer tantos dispositivos conectados uns aos outros? Imagine que seu despertador o acorde às 6 da manhã e, em seguida, notifique a sua cafeteira para começar a preparar o café. Você vai até a cozinha e pega sua bebida quente já pronta, enquanto sua geladeira lhe mostra os suprimentos que estão faltando. Já pronto para ir ao trabalho, você desliga grande parte dos aparelhos da casa, inclusive as lâmpadas, e ativa o sistema de alarme ao toque de um botão. Tudo isso não seria maravilhoso? Pois é exatamente esta a ideia da residência inteligente. A seguir, conheça os pilares da casa dos sonhos de qualquer pessoa:

Economia

O primeiro pilar da casa inteligente é a economia, pois a redução de custos proporcionada pelos dispositivos é enorme. Segundo Marcelo Knörich Zuffo, professor da Escola Politécnica da USP(Universidade de São Paulo), um sistema de automação pode reduzir gastos em até 30%, já que os moradores têm a possibilidade de programar os dispositivos inteligentes para funcionarem apenas em determinados momentos do dia, de acordo com as suas necessidades.

Quando uma pessoa estiver na sala de estar, por exemplo, ela pode desativar as lâmpadas inteligentes dos outros cômodos através do seu smartphone, o que ajuda a reduzir bastante os custos com energia elétrica e eliminar o desperdício. Além disso, alguns sensores de movimento captam a presença da pessoa através da temperatura, garantindo que as luzes de um ambiente estejam ligadas apenas quando alguém estiver presente.

Conforto

Em uma casa inteligente, os moradores conseguem controlar dispositivos e aparelhos eletrodomésticos através de seus smartphones a partir de qualquer lugar do mundo. Imagina se você pudesse ligar o ar-condicionado antes mesmo de chegar em casa após um longo dia de trabalho? Desligar as lâmpadas ou fazer com que elas diminuam de intensidade independentemente de onde estiver? Ou até mesmo ativar o sistema de irrigação estando em outro país, para que o gramado continue verde?

Com um único comando, também é possível fechar cortinas, controlar todas as tomadas, programar os aparelhos para executarem suas funções em determinados momentos do dia e gerenciar câmeras de segurança internas e externas. Além disso, por meio da geolocalização, você pode configurar as luzes da casa para acenderem quando você estiver perto de chegar. Com tudo isso, as tarefas simples e enfadonhas do seu cotidiano seriam completamente eliminadas.

Segurança

O último pilar é um aspecto muito importante da casa inteligente, que gera benefícios principalmente para quem mora sozinho ou viaja bastante. Graças à automação residencial, os moradores conseguem ativar o sistema de segurança e gerenciar câmeras e sensores de movimento através de um smartphone. Sabe aquelas vezes que você sai correndo de casa e não sabe trancou a porta? Com as fechaduras eletrônicas, você recebe um alerta caso esqueça a porta aberta e ainda pode fechá-la mesmo estando distante da residência.

Também é possível dar senhas de acesso ao invés de emprestar chaves para outras pessoas, saber quem entrou em sua residência e sincronizar a abertura da porta com outras funcionalidades, como a ativação de luzes ou do sistema de alarme. Se for viajar, você pode usar o sistema de monitoramento remoto para checar todos os cômodos da sua casa. Também há a possibilidade de deixar algumas lâmpadas inteligentes ligadas como medida de proteção e programa-las para acender em horários alternados, para que a casa aparente estar com pessoas dentro dela.